sábado, 10 de janeiro de 2009

Camping em Visconde de Mauá

RELATO DE VIAGEM A VISCONDE DE MAUÁ



PREPARAÇÃO PARA A VIAGEM (14/11/2008)


Para esta viagem a preparação foi feita apenas um dia antes da viagem propriamente dita, numa sexta-feira depois do trabalho. A preparação foi feita da seguinte forma: colocamos todo o material que iríamos levar em cima da cama e do sofá. Tenho uma listagem de tudo que temos que levar. Esta listagem consegui em um site sobre camping (não lembro qual), fiz algumas modificações para meu uso e da minha esposa. Para a escolha do camping fizemos uma escolha minuciosa pela internet e escolhemos o camping Ponto X. Minha esposa ligou para lá e reservou a nossa vaga. Depois vimos que isso nem seria preciso, pois o camping estava vazio. A rota da viagem fiz pelo site www.mapalink.uol.com.br, nesta página conseguimos prever o tempo de viagem, a localização dos postos de GNV, a quantidade de combustível que vamos utilizar, bem como quanto vamos gastar de combustível.

A VIAGEM (15/11/2008)


Acordamos cedo no sábado colocamos as mochilas e a barraca dentro do carro, fomos até o posto de gasolina abastecer e calibrar os pneus do carro, logo em seguida partimos para pegar a Av. Brasil. Depois de alguns quilômetros chegamos até a Rodovia Presidente Dutra e seguimos viagem até o posto de pedágio Viúva Graça em Paracambi (R$8,50). Passamos e fomos parar somente em Resende no posto Graal, para abastecer novamente e para tomar café, que é muito gostoso e bem caro também. Aconselho tomar um café reforçado antes de sair de casa. Após “esticar as costas” partimos novamente para a estrada. Não sabia que o pior estava por vir. Chegamos à entrada 311 (entrada para Penedo), seguimos em frente e passamos direto por penedo. Seguimos as placas para Visconde de Mauá. Agora é que vem o problema, grande parte da estrada é de terra batida, barro e pedras. Os vinte poucos quilômetros até Visconde pareceram mais de cem, certos trechos tivemos que subir em primeira. Nenhum sofrimento é eterno e depois de algumas batidas do peito de aço do carro no chão, chegamos à primeira vila, Visconde de Mauá. Demos uma volta rápida pela cidade, e nem dá para ser demorada, pois a cidade é muito pequena. Seguimos então a placa que indicava Maringá. Vale dizer que a estrada que liga as duas cidades também é de barro, apenas dentro das cidades as ruas são asfaltadas. Passamos sem parar por Maringá e seguimos para Maromba, nosso destino final. Passamos por alguns campings muito bonitos até encontrar o nosso camping. Posso dizer sem medo algum de errar que é o camping com o visual mais bonito que já ficamos. Fomos recebidos pelo “seu Paulo”, com quem minha esposa tinha falado pelo telefone durante a semana. Pagamos o camping adiantado (norma deste camping) e fomos procurar um lugar para montar a barraca, foi aí que notamos que só havia uma família acampada neste camping. Escolhemos um local protegido do sol e perto de um poste com luz e tomada. Tirei alguns galhos do chão e montamos a barraca perto de um eucalipto.


Neste camping o estacionamento fica bem perto das barracas, grande vantagem para quem leva muito peso. O camping conta com um banheiro com chuveiros frios e quentes, pias para higiene pessoal, pias para lavar pratos e uma área para churrasco.

A outra família estava alojada na área da churrasqueira. Ficamos sabendo depois que ela estava ali porque tinha sofrido com as chuvas durante a semana (a barraca não suportou as chuvas), “seu Paulo” deixou que eles montassem a barraca debaixo do telheiro da churrasqueira. Arrumamos tudo dentro da barraca e partimos para a primeira cachoeira, cachoeira Véu da Noiva, uma trilha bem pertinho do nosso camping. Todas as trilhas que fizemos foram pequenas quando comparadas com as da Ilha Grande. Chegando à cachoeira não consegui entrar na água porque esta estava muito, mais muito gelada, minha esposa conseguiu!


Dali partimos para o Poção da Maromba, um lugar “pe-ta-cu-lar”, lindo mesmo. No local existe uma pedra de onde uns loucos se atiram no “Poção”, quem tem 4 metros de profundidade, mais uma vez não entrei porque a água estava muito gelada, doía até o osso da canela. Minha esposa entrou na água gelada novamente!!



Voltamos para o camping e agora sim fomos apreciar o rio que passava dentro dele, seguimos seu leito até um lugar que havia alguma coisa parecida com um lago. Ficamos ali por algum tempo e voltamos para a área da barraca, onde colocamos uma manta estendida no gramado e descansamos algum tempo. Já perto das 18:00h começamos a fazer a nossa janta. Para poder cozinhar ali tivemos que colocar um anteparo perto do fogareiro por causa do vento, feito isso começamos a fazer a nossa janta (o melhor arroz de saquinho, que já comemos, pois a nossa fome era grande). Para beber fizemos um Tang limão. Foi nesta hora que começou a ventar um pouco mais forte e minha esposa fez o seguinte comentário: “- tá ventando, né?” e aí eu disse: “- é, vai fazer frio.”, foi aí que veio a seguinte frase: “- duvido!! com esse calor... você acha que vai fazer frio.” . A noite foi chegando e fomos para dentro de nossa barraca onde graças a modernidade conseguimos assistir um filme no DVD portátil que levamos. Como o esforço durante o dia foi grande antes das 22:00h já estávamos dormindo.


(16/11/2008)


Por volta das 03:00h uma certa pessoa que falou que não ia fazer frio me agarrou dizendo: “- Mô, to com frio”. Depois de rir um pouco peguei o casaco dentro da mochila e fechei o saco de dormir dela. Com certeza a temperatura estava bem baixa, pois também estava com frio. Levantamos cedo, pois apesar da noite fria, o sol apareceu castigando a nossa barraca pela manhã. Fizemos a nossa higiene pessoal e fomos até Maromba tomar o nosso café da manhã. Voltamos até a área do camping, onde começamos a fazer a trilha até a cachoeira Santa Clara. A trilha não é muito grande e chegamos rápido na cachoeira, que é de uma beleza indescritível, só estando lá para poder ver. Passamos um bom tempo nesta cachoeira apreciando a beleza do local e tirando algumas fotos. Já na volta encontramos um nativo da cidade o qual perguntamos se por ali havia mais alguma cachoeira, e este senhor nos indicou mais uma trilha que iria dar na cachoeira “Toca da Raposa”. Esta trilha tem algumas subidas, mas nada muito puxado. Antes de chegar a tal cachoeira paramos em um local onde havia um lago bem raso, onde apenas eu entrei para dar uma refrescada. Continuamos e logo estávamos na cachoeira “Toca da Raposa”, esta cachoeira é um pouco distante da cidade, mas tem um bar bem pertinho da queda d'água, mais a frete tem a cachoeira “das borboletas”, que só tem borboleta no nome, pois não vimos nenhuma. Voltamos para o camping para arrumar as coisas e ir embora. Foi duro descer aquela estrada novamente, paramos em alguns mirantes para algumas fotos e tocamos em direção ao Rio de Janeiro.